sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

AUDAX 200 KM - CANCELADO !!!

Segue nota publicada hoje no site oficial da Associação Ciclistica Desportiva (ACD) - organizadora oficial do Audax Paraná 2012:


"Pela negativa de autorização da Polícia Rodoviária Federal para realização da prova, comunicada à ACD somente em 30 de novembro, informamos a todos que o brevet de 200 km agendado e organizado para o dia 04 de dezembro não poderá acontecer.


A ACD, desde que retomou a realização das provas de AUDAX no Paraná, busca de todas as formas promover o ciclismo amador obedecendo a todas as normas legais cabíveis. No entanto, por completo desconhecimento e desincentivo ao esporte por parte das autoridades locais, infelizmente nosso trabalho vem se tornando inútil.

Toda a série 2012 do AUDAX corre o risco de não acontecer, por falta de autorização dos órgãos competentes.

Por ora, temos apenas que engolir o sapo da prova do dia 04/12. Quando possível enviaremos notícias sobre o restante da série.


Sobre o valor das inscrições, há duas opções: o ciclista mantém seu crédito para futuras provas ou solicita sua devolução enviando um e-mail para vandre@bridgecomex.com.br, juntamente com o comprovante de inscrição.

Por favor, ajudem a espalhar a notícia do cancelamento a seus conhecidos.


Nos encontramos pedalando por aí.

Podemos, inclusive, agendar um pedal de protesto.


Abraços revoltados!

ACD."



Amigos,

Isso eh muito grave!

A PRF algou primeiro que a ACD não protocolou a tempo a solicitacao de autorizacao da prova, uma vez provado o contrario disseram que não podemos pedalar na rodovia porque atrapalha o trânsito de veiculos!!! Da pra acreditar nisso!!!

Será que a PRF conhece o Codigo Nacional de Transito?!?!

Primeiro que o Audax acontece no Paraná desde 2007 e por tradição no resto do mundo desde 1891, isso é muito antes do Brasil ter Policia Rodoviária Federal! Além disso, o Codigo Nacional de Transito diz o seguinte:

"Art. 58. Nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores."

Portando o direto de pedalar no acostamento está garantido pelo CNT. Além disso, há também a violação do DIREITO DE IR E VIR, previsto na carta maior, CONSTITUIÇÃO FEDERAL desde 1998.

E tem mais... Além de estarmos falando da falta de respeito com a lei brasileira, o caso trata também de um abuso de autoridade e uma ação contra a sustentabilidade. Não temos nada contra o uso de veículos a combustão, pelo contrário... porém, impedir a circulação de bicicletas, seja onde for, é um verdadeiro contra-senso dado o quadro ecológico atual do mundo. Neste tema não preciso me aprofundar pois sei que todos os leitores do blog acompanham-no e sabem que andar de bike faz bem a saude do ciclista e do planeta.

Estamos REVOLTADOS!

Um protesto pacífico e não violento será organizado contra a decisão da PRF. Vamos pedalar e excercer nossos direitos.

Baita abraço.

Diogo Fava - ATRITOZERO

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Quer comprar uma Mountain Bike Atrito Zero ?

Vendo mountain bike VICINI NIOTA com pouco uso + acessórios !!!


Aceito troca por equipamento TOP para SPEED
(quadro de carbono, grupo top, rodas, etc)

Descrição da bike:

- Quadro: Vicini Niota tam 17"
- Suspensão: RST Gila com trava - curso 100 mm
- Mesa: Vicini Niota
- Pedal: Comum em aço e nylon
- Guidão: Vicini Niota
- Canote de selin: Vicini Niota
- Selin: EndZone - Gel - NOVO!
- Aros: VZan Extreme
- Cubos: Shimano Deore LX
- Grupo (marcha e freio): Shimano Deore 27v (exceto cambio dianteiro: Alivio)
- Pneus: CST misto - para asfalto ou terra - semi-novos

Somente a Bike: R$ 1.700,00

Acessórios:

- Par de sapatilhas MTB Shimano MD075 semi-nova tam 41 (39 Brasil)
- Pedais MTB Shimano SPD de encaixe + tacos em aço + adaptador para uso sem sapatilha
- Bomba de ar Beto como ação dupla (enche abrindo e fechando) com ponteira anti-quebra bico e suporte
- Suporte para garrafa TIOGA
- Pneu CST Comp CHICOPEE - para trilha - semi-novo
- Pneu Hutchinson SCORPION - para trilha - semi-novo
- Camara de ar nova - para sua reserva
- Computador de bordo: ODO, SPD, HORA, TEMPO, V.MAX, V.MED, DIST.

Bike + Acessórios: R$ 1.900,00


Quem levar a bike, leva também o pacote de acessórios por R$ 200,00. Não vendo os equipamentos separadamente enquanto não vender a bike, este valor é somente para quem levar tudo.

Quem quiser ver sem compromisso é só me ligar!

Baita abraço !!!


Diogo Fava

41 9111-5609

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Pedal - 18-09-2011 - Equipe Enfarto !!!

ATRITO ZERO apresenta:

A EQUIPE ENFARTO !


A esquerda o Felipão e sua Caloi 10 original e saudosista encarando com maestria as primeiras pedaladas fortes...   em seguida Anderson e sua GTS, o cara é forte, deixa que o Carlão comenta! Ao lado do Paulinho (Escosses Voador que voou e sumiu na frente!) está o Omar, autor e mentor da Equipe Enfarto! Neste ato todos aguardavam por un diagnóstico do Carlão, já enfartando! Rsrsrsrs...

Valeu pessoal, o pedal desse domingo muito bacana, em breve mais um integrante retomando a forma, o Leandrinho, aquele que aparece no primeiro post do blog está voltando e promete...

Baita abraço...

90 km - São Luiz do Purunã - 10-09-2011

Este foi forte!

Foram inesperados 90 quilometros num sabado muito bom para apedalar...   a companhia foi especial, nos primeiros 20 km nosso amigo Eduardo, lesionado no joelho e mesmo assim parceiro, foi firme e forte até Campo Largo...

Na Serra do Fafá é que veio a maior surpresa...   JB! Que porra é essa meu filho?! Vai subir serra assim lá em Minas cara! rsrsrs...   Dalí em diante não deu pra ninguém, nosso amigo João Batista que veio de BH para pedalar com o Carlão chegou nas subidas e emparelhou o piso! O cara é um especialista e nessas horas chegamos a algumas conclusões:

1 - Ainda há muito o que aprender sobre pedalar em morros
2 - Possivelmente estamos fora de forma
3 - Quanto pior o morro, melhor !!! hehehe...
  

JB! Grande cara! Prazer enorme e inspirador pedalar contigo! Seja sempre bem vindo a terra do frio!

Baita abraço...

A Dogma do Carlyle

Uma bike de respeito para um homem de respeito !!!

Taí um cara para ser respeitado, observado e admirado, Carlyle Da Ré, com mais de 55 anos de idade esbanjando saúde, bom humor, companheirismo e muita, muita perna...     Nosso amigo está realizando merecidamente mais um sonho, ele e sua Pinarello Dogma devem desembarcar nos proximos dias aqui no Brasil.


Amigo, chegue logo e chegue bem! Estamos treinando aqui para ao menos tentar te acompanhar...   rsrsrs...

Com todo respeito meu chapa, más tú é PHOOODAAA !!!

Baita abraço...

Pedaladas na Paraíba - Carlão tava lá !!!

Antes tarde do que nunca!

O registro já deveira ter sido publicado, más em fim...   Importante é que o fassamos antes tarde do que nunca...

SIM !!! O Carlão foi sim até a Paraíba pedalar com seu parceiro Diogo... 

BR 230 - João Pessoa - Campina GRande - 23 de dezembro de 2009 (Muuuuito SOL !!!)


BR 230 - Campina Grande - João Pessoa - 25 de dezembro de 2009 (Sinistro! Conta aí o susto Carlão! kkkk)

Campina Grande (Praça Jackson do Pandeiro e Luiz Gonzaga) - 27 de dezembro de 2009 - Voltando da pedalada

Valeu parceiro véio, taí mais uma história pra contar...

Pedal BR 277 - 04-09-2011

Pedal bacana neste dia...   depois de subir a serra demos uma boa estacionada para tomar um cafezinho e respirar um pouco...



Valeu Carlyle! Baita parceiro...

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Treino - 18-08-2011



Pedalzinho leve, encontro com Carlyle no posto do JA as 7: 30, saida as 7:40... destino: Pedagio 277 praias... 9:30 em casa...



Foi bacana, semana passada também rolou umas pedalas dessas...




Baita abraço ao Carlyle!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

É lei fique atento!!!!!










Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de 1,50 metros ao passar ou ultrapassar bicicleta;






Infração - média






Penalidade - multa









terça-feira, 14 de junho de 2011

Ultimo treino

Este foi o último treino, já faz 1 mês e 15 dias que estou parado devido a uma fratura no pé esquerdo, definitivamente terei que esquecer os esportes que utilizem de bola, no futebol, vôlei e agora o basquete já foram os quais eu me quebrei, será que jogando ping-pong também vou me quebrar?!!!!!! huahuahuahau...


segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

REENCONTROS...

Em 31/12/2010 aconteceu o reencontro...

Reencontro com amigos velhos de pedal, Carlyle, Carlão e Cristiano...

Reencontro com a boa e velha garoa sentido litoral paranaense...

Reencontro com a amiga BR 277... palco de muitas histórias...

Reencontro com a lendária "Getezinha"... veja artigo de 04/05/09...

Reencontro com muitos pensamentos e velhas lembranças fantásticas...

Reencontro com pessoas sábias e de muitos outros encontros como o senhor André e sua Le Mount...

E no dia seguinte, reencontro com senhor Júnior, sua Alfameq e a costumeira alegria de viver pedalando...

Em 2011 estaremos todos juntos novamente !!!

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

1° Circuito DHF Eventos de Ciclismo‏

Olá ciclistas de Curitiba e região,
No dia 21 de novembro de 2010 a DHF promove o 1º Circuito DHF Eventos de Ciclismo.
A Prova será realizada em um circuito de 1,7 km o mapa pode ser visto no site
http://www.dhfeventos.com.br.
O evento terá inicio às 8 da manhã e acabará ao meio dia.

Os atletas estarão divididos em nove categorias correrão por tempo em circuito fechado ao trânsito: (tempo de corrida)

Mountain Bike (0:40h),
Estreantes/Academia (0:30h),

Júnior/Juvenil(0:45h),
Feminino (0:45h),

Master Open (1 hora),

Elite (1:05h),
Sub-30 (1 hora)

Os atletas que participarem do evento terão direito a:
· Água e frutas no final da prova;
· Medalhas de Finisher para todos os atletas;
· Premiação para os 3 primeiros de cada categoria;
· Seguro para cada atleta (vida e hospitalar);
· Premiação em dinheiro para as categorias: Elite*, Sub-30* e Master Open*.
(* mínimo de 15 inscritos por categoria para haver premiação)
Inscrições à partir de R$35 online no site http://www.dhfeventos.com.br.
Isso aí, não fique mais reclamando que não há provas, tire a poeira da sua speed e inscreva-se já!!!
Nós do Atrito Zero estamos abertos a divulgar eventos que incentivem e que fortaleçam o ciclismo!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

4° Desafio Marcio May

A PROVAO Desafio Márcio May de Ciclismo de Estrada e Mountain Bike terá este ano a sua 4ª Edição na cidade de Rio do Sul – SC no dia 28 de novembro. Idealizada pelo ex-ciclista Olímpico, o catarinense Márcio May, tem percurso de asfalto e o objetivo de proporcionar a qualquer pessoa a oportunidade de participar de um evento de ciclismo. Possui trajetos menores para os estreantes e desafiadores para os profissionais com 27 categorias ao todo.

HISTÓRIANo primeiro ano da prova, em 2007, o vencedor foi o próprio May no trajeto de Rio do Sul a Vidal Ramos, ida e volta. Maurício Borges de Joinville levou o título na categoria MTB e Maria Salete Waltrick no MTB feminino. Em 2008, o Brusquense Soelito Gohr, campeão mundial Paraolímpico levou o título no ciclismo e Maurício Borges tornou-se o Bi-campeão no MTB. Maria Salete Waltrick foi a primeira a encarar a prova de ciclismo levando o título. No MTB feminino, vitória para Caroline de Barba, de Blumenau.
Já em 2009, em sua terceira edição, o Desafio mudou de trajeto, tendo um percurso um pouco mais curto, porém com muitas subidas. Novamente a largada foi em Rio do Sul, passando por Lontras e destino a cidade de Presidente Nereu, retornando ao ponto de largada. Além disso, foi criada a categoria Light, para os iniciantes, praticamente sem subidas.
Jair dos Santos de Ibirama levou o título no ciclismo e Diego Roberto Gabrilowiski de União da Vitória venceu no Mountain Bike. No feminino, nova vitória para Maria Salete Waltrick no ciclismo e de Tânia Clair Pickler de Indaial no MTB.
Um dado curioso é que o Blumenauense Marcelo “Pinguim” Moser foi vice-campeão no ciclismo das 3 edições, batendo na trave.

PERCURSOLargada no centro da cidade de Rio do Sul – SC, passando por Lontras, Presidente Nereu e retornando novamente para Rio do Sul. O percurso é misto, iniciando e terminando em terreno plano, incluindo trechos em montanha, totalizando 84 km para Ciclismo, 60 km para o Mountain Bike e 46 km para as categorias Ciclismo e Mountain Bike Light.

INSCRIÇÕESAs inscrições custam R$ 80,00 e já estão abertas no site www.marciomay.com.br/desafio . Cada participante receberá um Kit Atleta com uma camisa de ciclismo, uma meia para ciclismo, uma caramanhola. Somente para os primeiros 500 inscritos.

PREMIAÇÃO
Serão entregues medalhas de participação a todos os atletas que completarem o percurso, troféu ao três primeiros colocados e medalhas ao 4º e 5º de cada categoria. Os primeiros colocados na classificação geral receberão prêmios diversos.


Nós do atrito zero pretendemos participar desta prova e caso alguém queira participar e não tenha companhia entre em contato!!!

FONTE
http://www.marciomay.com.br/desafio/2010/

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Alagoa Nova XC - 06-12-2009

Finalmente o primeiro XC na Paraíba! Muito bom mesmo!

As paisagens mais exóticas, por incrível que pareça, são aquelas onde há pessoas. Muitas construções antigas, aparetentemente abandonadas, porém ainda em uso pela população local como é o caso da igrejinha da foto.

O que realmente chama muito a atenção é o nível de pobresa e inesistencia de recursos básicos. Em uma "mercearia" que paramos em uma das estradas que passamos não tinha água para vender, nem água encanada. A água que nos serviram era de chuva e ficava armazenada em um pote de barro com um prato de aluminio em cima servindo de tampa. Para pegar a agua usa-se uma caneca de aluminio que fica "jogada" por alí... Ainda assim este povo parece ser muito feliz em seu mundo...

Aluísio Bicicletas, até o momento mostrou ser o melhor local da região para se comprar equipamentos, aparentemente não lhes falta nada. Consequentemente, alí se concentra "os caras" que padalam. Erick trabalha com Aluísio, ambos pedalam e são muito hospitaleiros, como prova disso, passaram contato de alguns dos "caras que também pedalam" pelas barrócas daqui facilitando o contanto com Frederico, que tinha um pedal marcado para 06/12.

Domingo, 6 horas da manhã saimos em 12 do Açude Velho com destino a muito pó, pedras e ladeiras para cima e para baixo até Alagoa Nova que fica nas redondezas de Campina Grande. O pedal foi ótimo, o nivel de dificuldade do terreno foi médio/alto e lembrou 3 Mata Burros, só que com chão bem mais irregular e cheio de pedras. O rítmo do pessoal foi bem leve, pois haviam alguns iniciantes, e para estes o terreno já foi suficientemente desafiador.
.
Pedalando foram 3 horas e 10 minutos, média final 14,3 km/h e a distancia foi 45 quilometros... Ah! A máxima registrada ficou em 65,4 km/h, e não foi no asfalto! hihihi...

"Os caras que pedalam" são Célio, Gabriel, Aluisio, Bernardo, Gean, Fred, Frederico, Tetê e mais uma galera que tem nome porém momentaneamente esquecidos! rsrsrs... Esse pessoal é show, pedalam porque gostam e gostam muito também de material de qualidade. Diga-se de passagem, neste grupo haviam pelo menos 3 bikes de 20k, umas de 7k e mais algumas na faixa dos 2,5k...
.
Interessante foi o pratinho de Buchada de Bóde abatido pelo Gabriel antes de chegar em Campina... O menino tava com fominha! rsrsrs...

Aí Gabriel, grande abraço...

No blog campabikers dá pra ver as aventuras da turma e certamente esta estará por lá em breve.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Treino - 04-12-2009

51 quilometros também até o Riachão. Média 26,7 km/h. Muito sol na volta...

Na foto um Kactus de tamanho avantajado! Rsrsrsrs...

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Treino - 02-12-2009

Este foi apenas "meio" treino... Pedalando ao redor do açude velho de Campina Grande foram 23,4 quilometros com a média final de 23 km/h...


Chegando em casa foi inevitável a foto, já que a rua é muito sugestiva! Hehehe...

domingo, 29 de novembro de 2009

Como planejar e iniciar suas pedaladas mundo a fora

Por Tadeu Matsunaga

Uma das atividades mais prazerosas dos ciclistas ou praticantes é o cicloturismo, que nada mais é que uma maneira saudável, econômica e ecológica de viajar e explorar o mundo a fora.

Existem alguns cuidados e providências, no entanto, que devem ser tomados para que um “marinheiro” de primeira viagem possa desfrutar tranquilamente da aventura.

Renato Moreira, que pratica cicloturismo desde os 14 anos e cursa educação física na Universidade de Marília, oferece dicas preciosas para aqueles que desejam adotar a atividade como meio de lazer e conhecimento.

Para ele, existem três pontos fundamentais para organizar uma viagem de bicicleta – planejamento, preparo físico e manutenção do equipamento.

“O planejamento engloba todos os contextos relacionados à viagem, tais como a rota que irá ser seguida, os principais pontos de apoio durante todo o percurso, distâncias entre cidades e também a qualidade das rodovias na qual o ciclista trafegará.

”Em relação ao preparo físico, Moreira acredita que esse elemento é chave para todo e qualquer cicloturista. “Podemos citar o preparo físico como a peça-chave de toda a realização da viagem, tendo em vista que para pedalar longos quilômetros o ciclista deve estar bem para aguentar longos dias na estrada, mantendo um ritmo considerável e também evitando possíveis problemas físicos durante a viagem.

”Já a manutenção deve ocorrer por parte do ciclista, que, por meio de um acompanhamento detalhado no desgaste das peças e na reposição imediata quando for necessário, evita possíveis dores de cabeça durante o andamento de uma viagem, tais como corrente quebrada, pneus furados dentre outros fatores.

A maioria dos cicloturistas afirma que, para realizar uma viagem adequada, o custo pode ser alto, mas essa situação pode ser amenizada. “A primeira hipótese a ser analisada é procurar entre amigos os equipamentos essenciais de ciclismo, como capacete, shorts adequado, luvas e a camisa”, disse. “A segunda hipótese a ser analisada pelo atleta basicamente é uma situação que muitos brasileiros utilizam a cada dia: a pesquisa. Existem diversas lojas especializadas que possuem equipamentos para diversas modalidades, inclusive para o ciclismo e com um preço bem mais acessível.

”Renato Moreira também comentou os locais ideais e favoráveis para uma boa pedalada. Ele citou, principalmente, estradas e parques localizados no interior de São Paulo. “Existem diversos parques estaduais, como o Carlos Botelho (localizado no município de São Miguel Arcanjo), o Parque Estadual de Intervales (localizado no município de Guapiara), região montanhosa com diversos declives acentuados, o PETAR -Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira - localizado no município de Iporanga, além do chamado "Caminho dos Tropeiros”, que engloba os estados de São Paulo e do Paraná.

”Em relação a entraves burocráticos que o ciclista/viajante possa enfrentar ao longo do trajeto, o cicloturista de 20 anos lembrou que o Código Brasileiro de Trânsito favorece a prática da atividade.

“De acordo com o código, toda bicicleta pode se locomover em qualquer rodovia estadual ou federal, desde que esteja no acostamento e o condutor esteja utilizando equipamentos de segurança. Esse direito está assegurado para todos os ciclistas que desejam realizar alguma viagem pelas estradas de nosso país, porém, em alguns casos, existe um abuso de autoridade de alguns policiais rodoviários em tentar proibir o cicloturista de pedalar em determinada rodovia”, ressaltou.

Moreira aconselha, no entanto, que todos se informem antes de embarcar em alguma viagem pelas rodovias do país. “Sempre é recomendado informar ao posto de polícia rodoviária de sua região sobre a viagem, o planejamento, as rodovias utilizadas e outros fatores a acrescentar. Outra dica importante é sempre ter em mãos documentos como RG e CPF para eventuais fiscalizações, como também a nota fiscal da bicicleta.
.
”Vale lembrar que, em caso de viagens internacionais, é necessária a retirada de passaporte e autorização para cruzar fronteiras – neste caso, o ciclista deve entrar em contato com a Polícia Federal de sua região para maiores informações e esclarecimentos.


Foto: Michel Mussi - ATRITO ZERO
Fonte: Prólogo

Treino - 28-11-2009

61 quilômetros, apenas 10 a mais que o treino normal, porém nestes está incluso o trecho da serra do Riachão do Bacamarte. A média ficou em mízeros 22,4 km/h... A serra não é muito íngrime, tem uns 4,5 km e não foi ela a culpada da baixa velocidade média...

Neste dia aconteceu O GRANDE ERRO! Erro de horário, erro de estratégia, erro de principiante ou excesso de confiança na experiência... Experiencia? Bom, são 16 anos afinal, porém... O nordeste não tem nada haver com o sul do Brasil...

Saída as 9:30 da manhã, pouco sol, aparentemente um dia tranquilo (vai nessa Zé Mané!). Alimentação e hidratação normal na saída... na bike 2 garrafas com água e no bolso a velha barrinha de cereal... um objetivo maior em somente 10 quilometros... isso não foi nada! A estrada que se pedala por aqui tem um elemento que é crucial: a falta de estrutura. Não há postos, nem bares, nem sombra, nem árvores e nem nada! Só o asfalto quente, a vegetação rasteira e os jumentos pastando...

Quando chegaram as 11 horas da manhã, já na volta e após subir a serra, a situação começou a complicar pois a água estava no fim e o sol estava muito forte, muito forte mesmo... ainda faltavam 20 quilometros até o posto de combustível (e sombra) mais próximo... por sorte, 10 quilometros adiante havia um plantão de vendas de um loteamento e lá sim, sombra e água fresca, porém, neste ponto o limite já havia sido ultrapassado...

Seguindo reabastecido, porém desidratado e consequentemente já com a reserva energética esgotada, os últimos 10 quilometros até em casa foram os piores desde o pedal com Michel até a represa no início do ano...

Do pedalante não sobrou nada !!! Ao chegar em casa o banho foi sentado... as pernas tremiam e a cabeça doía muito...

Desta vez foi possível vivenciar aquelas cenas de filme no deserto onde o cameleiro começa a ter alucinações por falta de água... rsrsrsrs...

Está na hora de variar um pouco... vamos ver se arrumamos um XC no próximo final de semana...

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Treino - 26-11-2009


Este treino foi no tenis...

O objetivo era dar um pequena corrida de 40 minutos, porém, isso ficou em 90 minutos! A distância ainda não temos, más em resumo, foi a ida mais duas voltas no açude velho de Campina Grande e a volta para casa... Vamos pegar a bike e medir qualquer hora dessas!


A corrida foi muito boa e como nos pedais trabalhou bem o vício em Endorfina...

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Treino - 25/11/2009

No treino de hoje foram os mesmos 50 quilômetros, porém a média está subindo e desta vez ficou em 25 km/h.

No trecho de retorno estava Pipa, acidentado!
Nosso amigo se perdeu na descida, aparentemente bateu numa pedra e aí "garrô o mato". A situação estava preocupante, pois ele estava com muita dor e acabou indo embora de taxi.

Repare que o tombo, apesar de ter sido no mato, foi feio, pois pode observar na foto que até o selim da bike do pedalante foi arrancado!

Mais tarde soubemos que foi grave mesmo resultando numa luxação forte no ombro direito e uma costela fraturada.

Aí Piba, uma boa recuperação para você e agora o negócio é curtir seus 15 dias de tipóia bem sossegado...

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Treino - 18-11-2009

O treino de hoje foi mais curto e mais rápido. O pedal foi até 5 quilometros antes do retorno de Riachão por 2 motivos.

Primeiro que o tempo estava mais curto visto compromissos assumidos pela manhã e segundo, como podem ver na imagem do ponto de retono, a chuva estava chegando e de fato chegou no exato momento da foto...


Foi um total de 40 quilometros com média de 24,1 km/h. Já está melhorando...

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Treino - 16-11-2009

Mais uma vez foram 50 quilometros a 23km/h de média. O ponto de retorno chama-se Riachão do Bacamarte.

Concluído as 8h 40min o treino desta vez pela manhã mostrou que o sol da Paraíba não é de brincadeira, tanto é que muitos ciclistas e motociclistas usam manguito e calça.

Na foto abaixo um dos meios de trasporte muito usados na região.


Simpático o bichinho não é?

Quando for para a região de sertão vamos mostrar fotos dos kactus gigantes...

sábado, 14 de novembro de 2009

Treino - 14-11-2009

Campina Grande, 14 de novembro de 2009.

Campina Grande? Isso mesmo. Campina Grande na Paraíba! ATRITO ZERO agora inicia sua fase nordestina.

Campina Grande é a segunda cidade da Paraíba e fica a 130 quilometros da capital João Pessoa, aliás, são 130 quilomentros numa estrada fantástica para treinar!

Aqui é um lugar muito peculiar e bom de se viver. Em junho tem o maior São João do mundo (vídeo ao lado) com 30 dias de festa. A cidade é universitária e exporta talentos. Ao contrario do que a maioria pensa do nordeste, trabalha-se muito na Paraíba, principalmente em Campina que por sua posição geográfica estratégica, próxima de 3 grandes capitais, Natal-RN, João Pessoa-PB e Recife-PE, torna-se centro de distribuição logística estadual e inter-estadual.

A cidade é muito bela e povo muito hospitaleiro e educado. Quem vem pra cá logo vê que trata-se de uma cidade especial.

Vale a pena passar pelo Hotel Village logo na chegada para tomar um café da manha. Alí há pessoas especiais que vão recebê-lo bem. Aliás, um grande abraço ao Washington, ao Helnton, Rossano, Juarez, Miro e todo pessoal que faz seu trabalho com amor. Perdão por não lembrar o nome de todos! Alí também se come o melhor peixe da cidade.

Há outros pontos bons de se conhecer como a La Suissa, o shopping Boulevard (o único com Mc Donalds. Que tristeza!) Tábua de Carne (a melhor picanha!), o Açude Velho, a loja central da Vivo (a melhor operadora! rsrsrs) no Metroshop, as pedaladas noturnas...

Más enfim, o que interessa é que começamos finalmente a treinar por aqui. Foram 50 km numa média de 23 km/h... é, pouco mesmo... o problema é que são quase 4 meses sem treino, muito Big Tasty e 5 quilos a mais! Rsrsrs... Hora de virar a página!

O pedal foi bom, a estrada é realmente boa e lembra do trecho de Curitiba a Campo Largo, más com a diferença que o transito é bem menos intenso. Há um pouco de sujeira, algum desnível no acostamento e poucos pontos de parada com estrutura, más o saldo é positivo e o treino foi otimo.

Aos 10 quilomentros apareceu Marcelino, um pedalante da região com sua Specialized. O cara é muito companheiro, deu boas dicas sobre os pedais e assistencia para nós ciclistas além de esperar o gordo na subida! rsrsrs...

Ah! A foto está tremida, foi favor de uma transeunte que usava o marco da entrada de cidade como banheiro para sua filhinha. Tem disso... rsrsrs...

Em breve nosso amigo Carlão vem nos visitar e pedalar sua "Caloi 10" por aqui, por isso é melhor que o gordo pedale muito ou vai passar raiva...

Saudade dos amigos... Carlyle, Neto, Rogério, Zezinho, Léo, Piu-Piu, Paulinho, Borro, Paulo Menezes, Mildão, Rafael Gassner, Baron, Michel, Bidoia e todo resto da galera...

domingo, 25 de outubro de 2009

A Caloi 10 do Carlão

A partir de agora...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Esse cara... feliz...

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Pedala essa Caloi 10 um tanto melhorada!


Por isso ele está...
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Assim !!!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Selim das bikes! fique atento!

A escolha certa do selim?
.
Esta é uma pergunta que muitas pessoas se fazem.
.
Qual selim eu compro?
.
Portanto, a partir de agora segue uma seqüência de dicas e detalhes técnicos para ajudar na escolha certa.- Modalidade.
.
Cada modalidade dentro do ciclismo tem um selim com um formato mais adequado, por exemplo o triathlon que normalmente tem a sua ponteira com maior quantidade de gel, uma vez que de acordo com a geometria da bicicleta e a própria postura do atleta ele tende a sentar mais na ponta do selim, logo esta tem que ser mais confortável, diferente de um selim de XC (Cross Country) um mountain bike mais agressivo onde o atleta mal senta no selim e as voltas no circuito são curtas. Ou seja, sempre defina antes a sua modalidade para escolher o selim indicado para ela.
.
- Homens e Mulheres. Isso mesmo, existe selim diferente para homens e mulheres um a vez que toda a formação esquelética da mulher é diferente por ter uma bacia ginecóide ou seja ela tem a bacia mais dilatada do que o homem, sendo assim, as tuberosidades do ísquio são mais distantes. E o principal de tudo, é que quem tem que ficar apoiado 100% no selim, são estas tuberosidades, e cada selim tem uma distância de suas bases podendo variar de 125 a 150mm. Outro fator importante é a distância entre a ponta do selim até a sua base, onde os selins femininos são mais curtos e normalmente mais macios devido à própria anatomia.* Não importa se a pessoa é mais magra ou não, isto é pura anatomia indivual.
.
-Distânica entre tuberosidades dos ísquios. Tendo visto que isto é um dos detalhes mais importantes a serem considerados na escolha do selim, então agora o próximo passo é medir esta distância, e para isso, a marca Specialized desenvolveu o “saddle fit system” , integrado a tecnologia Body Geometry que ao sentar nesta placa, podemos verificar a distância entre as tuberosidades, e assim escolher um selim com os “pads” da distância adequada.
.
-Cuidados: Algumas marcas fazem esta parte mais vazada ao meio, o que pode parecer moderno e eficaz, mas muitas vezes não foi desenvolvida por um médico especialista e pode prejudicar.
.
• Nunca esqueça de deixar seu selim nivelado!• Selins bons na maioria das vezes exigem um maior gasto financeiro!
.
• Selim é uma “coisa” pessoal, não é porque seu amigo se deu bem com um que você também vai, por isso se a loja em que você leva sua bike deixar você testar o selim, é bem legal.
.
• Trocou o selim, arrume novamente a altura total do seu selim em relação ao eixo do pedivela.
.
• Nem sempre o mais leve é o melhor, o conforto vale mais na performance do que o próprio peso total da bike.
.
• Procure uma marca que seja especializada na fabricação de produtos e que se preocupe com a sua saúde e a performance.
.
Estas são as principais dicas para um inicio do casamento ideal com sua bike, pois é no selim que passamos a maior parte do nosso tempo enquanto pedalamos.
.
Exemplos de selins e sua modalidade:
.
Impotência: Apesar de vários médicos publicarem matérias a respeito, sempre vem um novo médico e contradiz o que um outro disse, portanto um fala que pode levar à impotência e outro já logo desmente o mito, dizendo que não é possível.
.
A verdade: Existe o fator chamado pré-disposição, ou seja, alguns homens já nascem com pré-disposição à impotência, por isso cabe a ele ter uma prevenção maior. O que acontece na maioria das pesquisas é que não se sabe ao certo se as pessoas que passam por esses estudos tinham essa pré-disposição, como elas pedalavam (selim na altura certa ou não, bermudas com forro específico, qualidade do selim e quantas vezes por semana pedalavam) e por fim, se usavam ou não alguma espécie de hormônio. Todos esses fatores devem ser considerados. Pois fora isso, existe até mesmo publicações de que o efeito seja contrário, que após pedalar a ereção é muito boa. Portanto não perca seu pedal, não pare de treinar, ajuste a bike para você e vista-se com roupas adequadas e de alta qualidade.

Colunista: Igor K. Lagüéns, ciclista e apaixonado por bikes há mais de 10 anos, foi proprietário de bike shop durante 4 anos e meio, o que trouxe a certeza de querer estudar Educação Física. Hoje, como educador físico é especializado em avaliação e correção postural de ciclistas ( www.igorbikefit.wordpress.com) e atua também como professor de ciclismo na Planet Assessoria Esportiva (www.planet.esp.br).

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Morretes - 16-08-2009

Para completar o pedalzinho do dia anterior Diogo, Carlyle e Léo deram uma "esticadinha" só até Morretes num bate e volta bem estradeiro!




No momento da subida encontraram alguns integrantes do Wolfskin... Borrão, Paulinho Winnikes, etc...



Grande abraço a todos!

Piraquara OFF ROAD - 15-08-2009

Este pedal vai ficar pra história!

Foram 21 participantes de alto nível onde a maioria nem se conhecia, esta é a força da internet! Dale Amigos do Peadal!

Antes de entrarmos nas fotos, que aliás falam por sí só, segue um baita abraço ao Mildão, Rafael, Rogério e Leandro da TAG Bike.





O trajeto foi muito bom, totalmente XC!

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Percorra 100 ou 200 km

Aumentar o volume de treino é seu objetivo. Confira as planilhas para pedalar 100 ou 200 km com fôlego.

Por Cesar Candido dos Santos.
É cada vez mais comum o interesse dos amantes do ciclismo em disputarem provas de longa distância, como o Audax e a Granfondo. Mas para encarar este tipo de desafio sem grande sofrimento e fôlego até o final, é preciso estar muito bem preparado.
“Em treinos e provas mais longas, é preciso manter o ritmo e a cadência. O atleta tem que saber dosar as forças dentro da distância percorrida”, afirmou o treinador Ricardo Arap, da Race Consultoria Esportiva.
O foco da preparação para competições longas está no aumento do volume, mas isto não significa que os treinos também devem ser assim. O mais importante é que eles possuam qualidade.
“Não adianta fazer um treino de 180 km em um único dia e ter de descansar durante três ou quatro. É importante distribuir esta distância durante os treinos da semana, e realizar atividades com muito mais qualidade”, falou o treinador e personal trainer Alexandre Lima.
A alimentação e a hidratação antes e durante a prova também são fatores com os quais o ciclista precisa se preocupar. Nos dias que antecedem a competição, os carboidratos devem ser a prioridade. Durante o pedal, o ideal é beber água, isotônicos e ter alimentos para repor as energias, como barras de cereais, frutas e gel de carboidrato.
Confira duas planilhas de treino que o treinador Ricardo Arap, da Race Consultoria Esportiva, preparou para atletas que desejam percorrer 100 ou 200 km.


::Legenda

Intensidade
LE = Ritmo leve
MO = Ritmo moderado
FO = Ritmo forte
MF= Ritmo forte
(´)= duração do intervalo em minutos
Circ misto = com subidas e descidas


Fonte: Prologo

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

São Luiz do Purunã - 08/08/2009

Este foi um pedal forte!
Marcou o ingresso do nosso amigo Rogério no MTB.

A idéia inicial era ir até o pedagio de São Luiz do Purunão acompanhado pelos amigos Carlyle e Léo com suas bikes de estrada, porém ao chegar no pé da serra Rogério e Diogo resolveram desbravar a mata subindo o morro no melhor estilo Cross Country.

Após vencer aproximadamente a 2/3 da serra a estrada terminou num portão com uma placa que dizia: TOQUE O SINO.

O detalhe é que faltou a placa de CUIDADO COM O CÃO!!! Rsrsrsrs...

Quando Diogo parou na intensão de tocar o sino e tentar continuar o pedal por dentro da propriedade particular só ouviu o grito de seu amigo: OLHA O CACHORRO! CORREEEEE...

Eram 3 cachorros e um deles correu uns 1.500 metros na tentativa de pegar os aventureiros! A sorte é que para baixo todo santo ajuda mesmo!

Desceram novamente ao pé da serra e subiram pelo asfalto. Ao chegar no tunel novamente bateu o espirito de aventura e daí por diante foi muita curtição....

Em cima do túnel...
















No paredão de pedras...


Numa estrada perdida na volta...



Um pedal carregado de contato com a natureza e muita doideira durante um dia inteiro de aventuras...
Muito bom !!!

terça-feira, 28 de julho de 2009

Aprimore sua Pedalada

Treinar a passagem do “empurrão” para a “puxada” durante o giro resultará em um movimento cada vez mais redondo.

POR ANA LUISA BARTHOLOMEU

Pedalar parece ser algo natural, tal qual caminhar ou correr. Uma vez que se aprende, nunca mais se esquece. Mas, na verdade, extrair um bom desempenho desse movimento não é uma tarefa fácil. Ter uma pedalada redonda, que é a união de biomecânica e força na medida certa, requer treinamentos específicos e muitas horas – ou quilômetros rodados – sobre um selim. “Ciclistas profissionais chegam a rodar 40 mil km por ano e isso faz com que tenham uma ótima técnica de pedalada, muito próxima do ideal”, explica César Augusto Oliveira, técnico de ciclismo da MPR Assessoria Esportiva.
Segundo Adir Romeo, treinador da Seleção Brasileira de Pista nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo (2003), uma pedalada pode ser considerada redonda quando for a mais circular possível, acompanhando o giro de 360º do pedal e respeitando suas conseqüentes angulações. “Deve ocorrer uma combinação bem próxima da perfeição entre o ‘puxar’ e o ‘empurrar’ o pedal”, explica Romeo.

De uma forma geral, ciclistas amadores dividem o movimento da pedalada em dois pontos extremos: o ato de empurrar o pedal para baixo (0º a 180º), também chamado de fase de propulsão; e, dando continuidade ao movimento circular, o ato de puxar o pedal para cima (180º a 360º), chamado de fase de recuperação. Esquecem, porém, que, entre essas duas fases, existem dois pontos “livres”, ”neutros” ou ainda “mortos”, comumente chamados de fase de transição. “Basicamente, é o momento em que ocorre a troca do conjunto muscular que trabalha prioritariamente”, explica Oliveira. Ou seja, a fase de transição nada mais é que o momento em que uma perna completa os primeiros 180º, e a outra perna aparece para completar a outra metade do giro, fazendo a transferência de força. Estudos mostram que o “ponto morto” localiza-se em um ângulo de aproximadamente 8º a partir das extremidades inferior (180º) e superior (0º ou 360º) do giro.

Por isso, atletas de elite trabalham a técnica de pedalada tentando diminuir a amplitude desse ângulo nesses dois pontos, para ter ganho de performance. “Quanto maior o ângulo que caracteriza o ponto morto, mais quadrada é a pedalada”, diz Romeo. Por isso, é muito importante o ciclista sentir o movimento. Os pontos neutros devem ser cuidadosamente observados, pois simbolizam a união entre a compressão e a puxada. “Quanto mais correta for realizada essa união, mais redonda será a pedalada”, completa Oliveira.

O ângulo do pedal determina a direção das forças e, conseqüentemente, se a técnica de pedalada foi aperfeiçoada ou não. Durante a fase de propulsão, a ponta do pé deve estar mais elevada em relação ao tornozelo, enquanto na fase de recuperação, o tornozelo deve estar mais elevado. “No decorrer do tempo, esse movimento deve ser automatizado e utilizado sempre”, afirma Fernando Diefenthaeler, mestre em ciências do movimento humano com ênfase em biomecânica do ciclismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Os três exercícios propostos servem para todos os níveis de ciclistas. O que varia é a carga utilizada, dada pela relação de marchas e o número de rotações por minuto (RPM). Quanto mais rápido o movimento, mais avançado deve ser o nível do atleta, pois terá o controle neuromuscular do movimento mais natural e intrínseco.


VOCÊ DEVE:

– Empurrar, com os pés, o pedal para frente e para baixo no primeiro e segundo quadrante– Sentir os pés como se estivessem limpando as solas dos sapatos num tapete do segundo para o terceiro quadrante– Puxar os pés para cima e para trás do terceiro para o quarto quadrante– Chutar com os pés para frente do quarto para o primeiro quadrante, completando os 360º do giro.


FIQUE ATENTO!

1. Esses exercícios devem ser feitos logo após o aquecimento, no início do treino. São exercícios que exigem atenção, concentração e coordenação motora. Por isso, nunca devem ser feitos quando o ciclista já está cansado.

2. Podem ser realizados em qualquer sessão de treino. Quanto mais fizer, melhor, pois não sobrecarregam o corpo, e o ciclista estará sempre aperfeiçoando a pedalada.

3. Devem ser realizados em terreno plano e sem alterações de relevo para haver uma constância no movimento.

4. O tempo de duração de cada exercício deve ser de 30 segundos a um minuto. Mais que isso, o atleta dispersa a atenção, e o exercício não trará resultados.

5. Os descansos, ou seja, quando o ciclista deve pedalar normalmente, devem durar entre 1 minuto e 1 minuto e meio.


Aplicações de forças no pedal:

1) Com os dois pés no pedal, faça o giro de forma equilibrada, sentindo que está fazendo força em todos os pontos do movimento, em ambas as pernas.2) Agora faça o giro com uma perna de cada vez, com um pé no pedal e o outro solto.



3) A proposta do terceiro e último exercício é ambiciosa: fazer quatro em um só! Divida mentalmente o pedal em quatro partes e gire as duas pernas como no primeiro exercício, porém preste atenção a um lado de cada vez. Gire, focando sua concentração toda vez que seu pé passar pelo primeiro quadrante, durante 30 segundos. Descanse durante um minuto e repita a série, mas focando a atenção no segundo quadrante. E assim por diante, passando pelos quatro quadrantes. Force somente a fase da pedalada mentalizada naquele momento, completando o resto do ciclo sem força alguma. Depois repita tudo do outro lado. Preste atenção nas posições dos pés, tornozelos e calcanhares. “Esse treino deve ser feito em todo aquecimento, para sentir a musculatura (sinestesia), trabalhar a coordenação motora e aquecer todas as fibras musculares envolvidas no movimento da pedalada”, explica Cléber Ricci Anderson, ciclista há mais de 25 anos e treinador.

Fonte: Prologo